terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Insano amor

Postado por umalguém às 22:17:00
Reações: 
0 comentários
Descascava o esmalte, tomava um vinho, fecha os olhos. Esperava pelo o fim do mundo Ria descompasadamente após o 5º, 6º ou talvez 7º copo de vinho. Havia cansado e decidido largar a vida que lhe tanto sofrimento trouxe. Por entre o riso falso, surgiam lágrimas verdadeiras. Uma vida de derrota e dor, era o que lhe sobrará. Levantou-se e saiu do bar.Uma das últimas, vale dizer. Não era das que saiam primeiro, nem que logo enjoavam de beber, ela não, ficava horas, tomando um vinho barato, com sua cabeça girando, mas sem dar o braço a torcer e parar. Ao sair, sentou-se na calçada, olhou pro céu já claro, limpou as lágrimas e exclamou: - FODA-SE perdeu seu raciocinio, sua ideia, sua cabeça. Pensara em namorar, brilhar, sair e desta vez, enfim levar alguém a sério. O gosto amargo da solidão vinha cada vez mais forte, lhe deixando as traças. "Sorriu ao ver um sorriso familiar. Era um amigo, de infância, ao qual ela havia perdido todo contato e do nada, lhe encontra no momento mais trágico de sua vida. conversaram horas. Ela expôs seu medo, seus dramas, seus lamentos e sua vida." Sem perceber, se viu falando sozinha, na beira da calçada, o que achava ser alguém era apenas um fruto de sua imaginação já bem desgastada pelo álcool. Voltou aos choros e lamentos ... olhou para o pulso, onde dizia: "Não desista ..", olhou para a frente, levantou-se, ao atravessar a rua, ainda meio tonta, foi atropelada. O socorro custou a chegar e o que ela tanto desejada, havia se concretizado. Ela havia subido ao paraíso, para enfim, mudar o rumo de sua vida. Seja lá para onde que ela tenha ido, onde nunca se sabera, ela foi para onde o luar era mais belo onde tudo era infinito. Não se sabe como, nem porquê. Se foi vontade própria ou a loucura da bebida que havia lhe deixado de tal modo. Apenas lhe surpreendera ver, a data de sua morte tatuada a baixo da frase "Não desista". Se sabia ou não, não importa, importa que ela teve a vida que lhe foi destinada. Louca, insana, sem sentimentos. Foi alguém que nunca ergueu um dedo para ajudar e nem mesmo um sorriso para melhorar, aprendeu desde cedo o quão amarga a vida pode ser. Ninguém sabia, que tudo que lhe havido sofrer tanto, tinha sido um amor mal resolvido. Sendo que, ambos não sabiam o quanto se amavam. Vivera sem saber, morrera não sabendo. Quem sabe num paraiso, num infinito, num inferno, onde possa estar, ela venha a saber que todo amor que ela negou-se a dar lhe era reciproco. Ele lhe amara e hoje, sofre com sua ausência. O desejo maior é que ela cuide-o, para que no tempo que passe, tudo se passe a vida volte a ficar colorida tanto a ele e a ela, onde ela possa estar.
Postado por umalguém às 22:12:00
Reações: 
0 comentários
escrever sempre foi além de um simples "gostar". Sempre me foi, uma necessidade, uma singela maneira de transpor todo o meu interior. Tudo que nunca tive coragem de contar à família, psicólogos e etc. Todas dores que me faziam engolir a seco, todos lamentos de um coração empedrado, que insistir vês ou outra em se despedaçar. Sempre que pude, rascunhava bobagens minhas, passados inesquecíveis, tristes sombras e dores que relutavam em minha alma. O único modo verdadeiro de expor meus sentimentos é aqui, como calma, dedicação e força de vontade, dessa forma, "tijolinho a tijolinho", vou compondo minha alma e enfeitando o meu mundo, mesmo que apenas aos meus olhos.
 

rubber soul Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos