sábado, 17 de novembro de 2012

Postado por umalguém às 11:16:00
Reações: 
0 comentários
A verdade é que eu já morri muitas vezes e me reergui. Mas tem momentos, momentos em que me sinto desistir, de tudo, de mim, de nós, da vida, dos sonhos. E são nesses momentos de profunda solidão que acabo vendo o tão vão sentindo que é viver. Hoje, lhe peço que não desista de mim. Se não há mais alma em meu corpo, habite-me com a sua, me faça bem, me salve .. antes que tudo acabe, de verdade (...)
Postado por umalguém às 11:12:00
Reações: 
0 comentários
enquanto o mundo segue religiões, eu sigo meus livros e razões ..

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Postado por umalguém às 18:45:00
Reações: 
0 comentários
Acabei lendo hoje, novamente sobre casos de doenças mentais que afetam escritores, artistas e etc. Então, acabei descobrindo uma escritora, que acabei me identificando, assim como me identifiquei e me identifico com a Sylvia Plath. Lhes recomendo: Virginia Woolf Postarei duas frasezinhas que muito me chamaram atenção, espero que vocês curtam tanto quanto eu. "Pensei o quanto desconfortável é ser trancado do lado de fora; e pensei o quanto é pior, talvez, ser trancado no lado de dentro." "Encarar a vida pela frente... Sempre... Encarar a vida pela frente, e vê-la como ela é... Por fim, entendê-la e amá-la pelo que ela é... E depois deixá-la seguir... Sempre os anos entre nós, sempre os anos... Sempre o amor... Sempre a razão... Sempre o tempo... Sempre... As horas." UM MEIO BEIJINHO

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Postado por umalguém às 21:54:00
Reações: 
0 comentários
ligeiramente defeituosa sinuosas são as estradas que ando badaladas as noite que converso com as estrelas dos lugares por onde bandeio-me solitários considero os dias anos, meses que passam e perco de vista tua fiel presença que sempre acalantou minha alma, num mar de razões e amores .. e hoje afunda-me em desamores e tristes sonhos perdidos na penumbra de uma noite sem luar .

domingo, 4 de novembro de 2012

O Bluebird

Postado por umalguém às 22:00:00
Reações: 
0 comentários
Em meu coração tem um pássaro que quer sair mas eu sou mais forte que ele, eu falo, fica aí dentro, eu não vou deixar ninguém te ver. Em meu coração tem um pássaro que quer sair mas eu taco uísque nele e respiro fumaça de cigarro e as putas e os barmen e as caixas do mercado nunca sabem que ele está aqui dentro. Em meu coração tem um pássaro que quer sair mas eu sou mais forte que ele, eu falo, fica na tua, você quer me pôr em apuros? Em meu coração tem um pássaro que quer sair mas eu sou mais esperto, só deixo ele sair de noite às vezes quando todos estão dormindo. eu falo, sei que você está aí, então não fique triste. Daí o ponho de volta, mas ele ainda canta um pouco aqui dentro, eu não o deixei morrer totalmente e a gente dorme junto desse jeito com nosso pacto secreto e é bem capaz de fazer um homem chorar, mas eu não choro, você chora? Charles Bukowski Poema “O Bluebird”, do livro “Essa loucura roubada que não desejo a ninguem a não ser a mim mesmo amém” (7 Letras, pg. 155)
Postado por umalguém às 21:54:00
Reações: 
0 comentários
Entre a fumaça que sai de minha boca após um outro cigarro,entre mais uma dose de bebida, reflito a solidão que me aflige, a dor que percorrer minha veias, a triste amargura de estar vazio. Tudo passa e muda, mas ah é tanto clichê que já nem sei no que realmente acreditar, pode parecer bobagem, mas viver cansa e o que cansa mais é viver entregando-se a seres sem sentimentos, que só usam-nos e jogam-nos num canto, descartando-nos como se fossemos quaisquer objetos que enjoaram-se de brincar e resolveram trocar. Acordem, coração não é brinquedo não, dizer palavrinhas belas, conquistar, fazer sorrir tudo é feito ... mas e o resto? O manter, o seguir e continuar? Escafedeu-se ? Vamos ter mais consciência sobre sentimentos ... não quebraremos os dos outros, para que o nosso permaneça bem, por mais que muitas vezes não esteja .. não faça com os outros o que você não deseja para si mesmo ... ame-se e amem-se

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Postado por umalguém às 19:32:00
Reações: 
0 comentários
Conte-me o que tem feito para distrair sua distração? Mostre-me como tem sido inúteis todas as suas tentativas de criar uma canção? Viveríamos bem, dançaríamos a luz do luar, com o brilho das estrelas a nos prestigiar, tudo seria nosso. Conte-me como foi seu dia, seu trabalho, sua rotina. Isso não lhe incomoda? Tudo sempre tão igual, noticias, livros, horários, isso não lhe assusta? Me diga .. E aquele livro, como vai? Ainda em sua estante? Terminou o número 5? ou era 4 que você lia ... falávamos de tantos, que acabo confundindo-me, me perdoe meu amor ... E seus amigos? Continuam tocando, estudando, poetizando? Aposto que outro lançará um livro neste ano ainda eim .. (risos). Acreditas que ainda não dei fim nos teus livros? Todos aqui, ao lado de minha cabeceira ... prontinhos e marcadinhos para ler, num dia qualquer onde não me surja o que escrever, ou num dia em que não possa te ver, afinal eles me deixam mais perto de você, parece brincadeira ... mas eles vem com seu cheiro, cada página parece que vejo você sorrindo e me explicando as palavras que não consigo compreender. Tava lembrando dos momentos que passamos juntos, lembra aquela vez no super de praia, quando atirei pacotes na prateleira por ficar com a consciência pesada, pois os mesmo estavam no chão? Você se recorda? Me chamando de "delicada", pura ironia. Caminhávamos na imensidão da praia e nem ligávamos para os outros, lhe beijei por acaso, você me abraçou e foi tão ... tão ... tão inexplicável! Éramos os melhores. Enchias me saco para beber, rias das vezes em que fazia certas caretas rejeitando a tua bebida. Eu cantava Tim Maia, tu tocava gaita de boca. Eu te chamava pra dançar e tu ria, rejeitando minha dança e eu ria mais ainda, afinal ficavas "nervosinho". Ouvíamos músicas juntos, mas não até o final, por que sabes que não consigo. Tocavas meus cabelos, discutíamos sobre a situação da cidade e ríamos. Eu lembro que íamos pro cais, eu deitava sobre teu colo e tu suavemente passava as mãos sobre meus cabelos, era tão ... tão ... bom! Dias de ventos e chuva não eram problemas, lá íamos nós, tomar nosso cafezinho, caminhar a toa. Prometias que não teria fim e eu acreditava ... Mas tal promessa, foi de muita inutilidade .. afinal, num piscar de olhos, sumis-te. Deixasse-me com as lindas e deliciosas lembranças dos mais inexplicáveis momentos que passamos juntos, momentos que até então não havia tido e nem tanto sentido. Peço a Deus, forças maiores que me expliquem o fiz de errado. O que aconteceu com a gente? Onde agente foi parar? Cadê os carinhos, a mão nos cabelos, as reclamações, as teorias malucas, beatles na gaita, o sorriso bobo, o óculos torto, a camisa do Pearl jam, a barba que sempre me encantava, a músicas diferentes, as coisas que me falava ao pé do ouvido, o sorriso bobo², a alegria ao descobrir que gostávamos de Beirut, o teu horror a horóscopos, tuas vontades, teus desenhos, tua hq (custei a aprender o que era, mas aprendi viu só: HISTÓRIA EM QUADRINHOS), cadê teus sonhos, tuas inspirações, tua luta, tuas glórias, tuas palavras, teu jeito, teu amor, tudo que me dizias? Pra onde foram? É possível considerar uma grande mentira? Tudo isso não passou de um sonho transformando-se em pesadelo? Ou então fui outra qualquer pra ti? Uma simples distração pros teus pequenos olhos? Não sei ... É impossível ter vivido tanta coisa boa e ser deixado pra trás. É impossível entender, tudo de divino vivido e agora, nem nos meus olhos me olhas mais. Se um dia tu ler isso, espero do fundo do meu coração penses. Eu lembro até do dia em que me dissesse que se um dia não descemos certo, que a nossa amizade, nosso carinho continuaria. E ai te pergunto, cadê? Foi tudo tão fácil até esse ponto? Diga-me que não, por favor. Não quero acreditar que foi tudo em vão, que me doei a um sentimento inexistente a ti, que só querias uma distração qualquer. Não vou te pedir que voltes, não. Não quero que isso aconteça, por mais que escrever tudo isso me machuque, é uma terapia muito boa para tirar da mente "torta" tais lembranças que corroem por dentro. Expus tudo que me é sentido, hoje. 02 de novembro de 2012.
Postado por umalguém às 19:00:00
Reações: 
0 comentários
Postado por umalguém às 18:58:00
Reações: 
0 comentários
a dor parece não querer calar dentro de mim não é mais meu lugar sinto-me presa, insegura cansada, melancólica podia ser o belo dia que fazia na rua ou então o tempo que ia passando devagar, me corroendo por dentro fazendo com que lágrimas escorressem, sempre que tocasse tais canções ou sempre que eu ouvisse a batida de seu coração é de extrema tristeza ser só e mais triste ainda que isso, é que além da terrível solidão, vem junto o grande eco de minha alma, o vazio profundo que me deixas-te. quiseste-me junto a ti e me fui, se pestanejar e nem tanto planejar e sem que eu pudesse perceber, largasse deixasse-me só, aqui sangrando, jogada ao chão pedindo perdão por atos inexistentes [...] grito a espera que me ouças e voltes a mim, que dei-me uma razão qualquer pelo que fazes hoje comigo. Só queria isso. Sem mais!
 

rubber soul Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos