quarta-feira, 31 de outubro de 2012

palavras embaralhadas sobre um sentimento vago

Postado por umalguém às 20:57:00
Reações: 
0 comentários
basta você sorrir pra mim que me enlouqueço toda não importa o que foi feito a mim, nesses momentos o egoísmo some! O orgulho morre. Me sinto tomada por fragilidade e vulnerabilidade ... deixasse-me sem ter porque e eu fiquei aqui só, sem querer. Impossível é entender a situação, grandes e deliciosos momentos de grandiosas e belas alegrias compartilhadas e hoje nem me olhas mais .. teu rosto foge do meu olhar, que busca encontrar uma resposta um caminho uma solução que acabe com a minha solidão, de vez. se gostar tanto de alguém tornou-se algum crime e não me foi avisado não pretendo pagar por isso, falasse-me antes, oras. Não gosto do que sinto. Odeio o que sinto, na verdade. Preferia mil facas ferindo-me, do que continuar a sentir o profundo o vazio que habita meu peito, saiba que lhe quero bem .. mas bem longe de mim! Trouxe-me a melancolia agonia de viver só, a espera de resposta que jamais chegarão, e ainda assim gosto de ti, mesmo que em vão ..
Postado por umalguém às 20:44:00
Reações: 
0 comentários
"são nossos atos impulsivos que levam nossas vidas para frente. pensar sempre é bobagem e deixa a gente maluco, mais vale mil decisões tomadas "a lá loca", que por mais que soem erradas (como na maioria das vezes), nos fazem aprender e ficar mais forte, do que outras mil pensadas e completamente planejadas, que nunca foram executadas e nem tanto saíram dos labirintos que absorvem nossa mente." (devaneios numa noite sem luar)

domingo, 21 de outubro de 2012

Postado por umalguém às 22:23:00
Reações: 
0 comentários
Angustiado é meu peito que hoje chora sobre tua falta. Silencio ao ouvir de longe tua voz trêmula e doce chamando-me, expulsando-me. Adormeço, ouvindo-a sonho com teu riso, com teu gosto, com teu belo rosto. Teu cabelo desarrumado era o meu preferido amava-o meter os dedos e levemente te fazer um "cafuné". Sentir tua falta tornou-se um hábito que não gosto preferia ter-te ao meu lado. Quero a paz do teu peito o teu encantador ao teu lado o aconchego do teu abraço a tranquilidade da tua companhia. Vem comigo agente acha um abrigo cria um perigo pega a minha mão e vem?! Cuida de mim pelo tempo que em que não te tiro de mim [..]

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Postado por umalguém às 20:41:00
Reações: 
1 comentários
eu só queria poder viver um sentimento completo e verdadeiro sincero e honesto que ame e não desame que me exclame, que me faça sentir viva que não atue nessas inverdades, meias partes, metades inexistentes .. um alguém completamente incompleto, cheio de certas incertezas, que amaria sorrir, me olhar sair, caminhar me abraçar, me beijar sinceramente e puramente, seria pedir muito?

domingo, 14 de outubro de 2012

suplicas a ti

Postado por umalguém às 00:02:00
Reações: 
0 comentários
cogito idéias, sonhos e pensamentos. corrompe-me com teu amor me faz esquecer toda dor o teu sorriso é hoje um sonho que teimo em querer realizar teu beijo é um ardor que insisto em querer lembrar sem teu abraço meu peito sangra lágrimas amargas vão secando e deixando um gosto terrível saboreio o tal sentido perdendo a noção já que o coração já perdi a ti peço que não partas, que fique comigo que independente de birras manhãs, choros meus saibas que lhe quero bem e que lhe amo acima de qualquer circunstância eu lhe suplico! não me deixe só por entre a imensidão desse mundo todo não me deixe a ver navios passarem por mim, e eu aqui só não me deixe por um outro alguém, que talvez saiba lhe amar melhor, mas que provavelmente não irá compreender os seus dias de mais profunda agonia, que não vai saber deixar o teu cabelo bagunçado e nem te deixar rindo a toa após um beijo, daqueles de tirar o ar! Aposto eu que, conheço teus detalhes mais insignificantes. tuas mãos, pequenas e suaves. teus pequenos dedos tocando-me só eu sei, o quanto que tudo é vantajoso o quanto gosto de sentir tua barba me tocando teus beijos me cobrindo e teus abraços me protegendo, só eu sei simplesmente assim ... então, fica de bem não me deixa não, deixa eu te provar que eu posso te fazer um alguém feliz comigo sem migo de preferência, ao meu lado. vem ser feliz comigo, vem! retirasse os piores e mais derradeiros pensamentos que habitavam os becos escuros de minha alma, me salvasses e nem sabes, que ironia. segue me salvado .. não me deixa voltar pros erros do passado não .. te suplico

sábado, 13 de outubro de 2012

conto II: a lunática bailarina

Postado por umalguém às 16:42:00
Reações: 
0 comentários
Ela tinha seu próprio habitar. Não precisava que lhe dissesse o que fazer, fazia sem saber. Era das que calçavam a sapatilha e flutuava pelos palcos, olha para cima, o contato com o pública deixava-a nervosa e tal nervosismo a remetia a dores que não gostava de sentir, além de que ao olha para cima, sentia-se cada vez mais perto do mundo que sonhará: o luar. Tais foram as vezes em que se entorpecia de remédios, drogas, álcool e navegava pelos mares e esgotos que sempre a levavam pra lua. Dançava, rolava, ria, brincava, falava e chorava. Os efeitos intermináveis! Mas quando passavam, o triste desgosto e a loucura tomavam conta de sua mente. Quando voltava aos palcos, colocava seus suaves adereços e logo se ia dançar, notava-se a melancolia de seu olhar, era algo que encantava e entristecia quem visse, era alguém de beleza corriqueira e de solidão rara. Não possuía amigos, achava perda de tempo, não tinha tv, achava manipulação, tinha um velho toca discos e mil e um discos, que já conhecia tão bem quanto a si mesma. Sonhava ela em subir aos palcos, ser uma grande bailarina, mas não fazia com que tal sonho se se realiza. Sai, bebia, fuma, cheirava, dormia na rua. Levava a vida de qualquer maneira, não se preocupava com absolutamente nada, tinha seu lugar na companhia e isso já lhe bastava. Ao chegar na companhia onde dançava, foi logo se aproximar para ouvir o anuncio da diretora da companhia que dançará: “VENHAM MENINAS, VENHAM! VAMOS ESCOLHER HOJE O CORPO DE BAILARINAS PARA A APRESENTAÇÃO – LUNÁTICO LUAR”. Ao ir até a inscrição, deparou-se com um turbilhão de pensamentos loucos dizendo que não seria capaz, pensava se seria o álcool da ultima noite que havia deixado ela tonta e enjoada, não tinha certeza. Foi então planejar uma apresentação, estava incerta, incorreta, sentia-se mal, mas pior iria se sentir se não participar, o amor pela lua era maior que suas dores, queria ir pra lua, sonhava com sua morte e se via dançava no branco e pálido ambiente que a lua lhe seria. Ao chamarem ela para sua apresentação, errou! Gritou, chorou, rio. Acabou sendo desclassificada, saiu sem rumo, sem olhar. A droga ainda na mente, mais uma foi, agora ao som de Johnny Cash, um de seus favoritos. Uma leve picada, um sorriso resplandecido de dor, viu-se rodeada de seres de outro mundo, ria ria ria, sem parar. Saiu a caminhar, com uma garrafa embaixo do braço e suas sapatilhas nas mãos, levou junto uns comprimidos para ajudar a dormir. O caminho foi longo, tinha folego, vontade. Caminhou quilômetros, metia-se por entre os carros, dizendo querer ir pra lua. Via-se dançando, flutuando na mais louca atmosfera. Eram 22, 23 horas, sentou-se no parque e dava goles na bebida que ela havia levado consigo, perguntava o porquê de tantas loucuras que havia praticado ria lembrando-se de quando vivia no mundo habitual e normal, lembrava-se de sua família que não via a meses, lembrou de quando ganhou as primeiras sapatilhas e quando aprendeu seus primeiros passos, isso ela delirava ao lembrar, de tão mágico que tudo havia sido para ela. Não entendia o porquê que havia começado a beber, se “chapar” (como ela mesma nomeava o fato de se drogar) o abandono da família, suas desilusões amorosas ou simplesmente o fato de não se suportar e não conseguir aguentar viver num mundo onde o amor não é respeitado e pros que respeitam só restar a dor. Era solitária, fechada e risonha. Ah e ria, desespero, depressão, agonia, frustação, motivos para estar sempre mostrando seus lindos dentes brancos. Era uma completa lunática, endoidecida, que vivia para alcançar a lua e dançar seu ballet, junta a ela. Lembrava de uma vez em que foi pega no terraço do condomínio que morava, com uma escada tentando subir até o céu e beijar a lua. Foi a primeira vez que a internaram. Ficava lembrando-se dos enfermeiros e dos calmantes que jogava fora, pensava se não era por isso que não estava tão na merda. Não tinha dinheiro, reputação, e um sonho de participar de uma apresentação tão mágica quanto aquela, havia se perdido. Não tinha mais o que fazer pela vida, começou a recorda-se de quando era criança. Não tinha brinquedos, apenas as velhas sapatilhas e um toca disco, que toca as mais solitárias e belas canções, levando-a a conhecer a solidão desde a infância, estava acostumada a ficar só, não por falta de pessoas (dizia sempre: até que sou interessante, só não gosto de companhias) não gostava de controle nenhum sobre ela e nem que lhe dissessem as coisas, gostava é de ficar sozinha na manhã de domingo, gostava de acordar no meio da noite e sentar-se na beira de sua cama e cortar-se, sentia prazer na dor que sentia, sorria e sorria bonito, mesmo tendo cortado se e virado noites em claro ensaiando mil e uma coreografias que jamais apresentaria. Sentia um medo danado da morte, mas nunca fez nada pra tarda-la, pelo contrário, começou a usar drogas e beber logo sua família abandona-la. Não tinham esperança nela, alias nem ela nela mesma, queria viver sem ninguém junto a ela e conseguiu. Estava só na multidão, só entre os pássaros, só abaixo das estrelas. Sua loucura aumentou no hospital, ela tinha certeza. Virava noite sentada numa varanda observava, o tão só e linda que a lua era. Sentia-se assim. Pedia ela todas as noites que quando fosse levada para além da vida, fosse para junto a lua, para que fosse observada e que as pessoas tivessem prazer em ve-la sempre e não repulsa. Foi tomando goles e goles da bebida que carregará, tomou junto alguns comprimidos para a insônia, que o médico do hospital psiquiátrico havia receitado. Sem nem perceber ao certo, foi caindo do banco e adormecendo lentamente. Permanecia agarrada a suas sapatilhas e aquela garrafa de bebida barata, tomou mais alguns comprimidos, jogou o restante fora e começou lentamente cantando a primeira música que lembrará ter escutado com seu pai quando criança: “Amigos presos Amigos sumindo assim Prá nunca mais Tais recordações Retratos do mal em si Melhor é deixar prá trás... Não, não chore mais Não, não chore mais Oh! Oh!” (Gilberto gil) Terminando a canção, ela adormece para que finalmente possa subir e ficar junto a lua, vivendo de sua dança, amando sua loucura e enfim, só. Sem a tv que não gostava, nem as pessoas que tanto odiava, sem a família que lhe deixará, sem julgamentos, sem suas drogas, suas bebidas. Levou consigo a leveza da partida, suas sapatilhas, seu sorriso sempre indisposto, sua fiel solidão e sua vontade irremediável e interminável de flutuar por entre o imenso céu azul, e claro, tudo isso acompanhada pelas estrelas e iluminada pela tão sonhada e idealizada lua.
Postado por umalguém às 16:40:00
Reações: 
0 comentários
novas cores, novas histórias novos pontos muitas interrogações e raros casos de exclamações mil e uma reticências. em caso de grande abstinência sentimental, favor consulte um guru, um poeta ou quem sabe um açougueiro sim, um açougueiro, cá pra nós .. mas eles conhecem muitos cortes interessantes. enfim, não entregue-se seja forte, ame-se a si mesmo e só! o ego e o ismo devem andar de mãos dados, caro amigo. ame-se, apenas e simplesmente.

terça-feira, 9 de outubro de 2012

minha singela homenagem a ti

Postado por umalguém às 17:37:00
Reações: 
0 comentários
foi-se um dos bons .. uns dos que faziam a humanidade temer sua música, seu brilho seu show eram inigualáveis a 72 anos nascia o que iria mudar uma história transformar uma memória e evoluir uma sociedade se te fosse, tinhas um outro caminho a percorrer deixasse orfãos teus que hoje choram e lamentam-se por tal perda entristecedora onde é que estiveres, te escrevo tais meros versos, a fim de exaltar minha dor por não ter vivido em tal época épica e marcante .. mas sei, que hoje continuarei a repassar a tua história e tua memória a todos que puder .. acredite.. vamos brincar de imaginar agora .. imaginar um mundo que tu escolheu e que tu reinventasse que tu sonhasse, e musicasse buscasse e em toda tua trajetória cria-se. imagino mil e uma escolha que farias se hoje estivesse conosco imagino tuas milhares de canções e os muitos fãs que ainda terias .. seria lindo ..! John nos deixou só, Tarde pra dizer adeus, Todo o amor que se perdeu, Ficou a lembrança, Mas há de se seguir com fé Nos homens e mulheres, Nos filhos quando crescem Pública
Postado por umalguém às 17:20:00
Reações: 
0 comentários
vem voar comigo ..
Postado por umalguém às 17:16:00
Reações: 
0 comentários
andando por ai, só sem olhar, pensar pestanejar observo o quão só são as estrelas cada qual num canto, sem brilhando .. enquanto eu, só encontro-me em derradeiras tristezas .. perco meu brilho e choro e elas? sem ninguém .. lá encima, sempre brilhando independente de quem vá vê-las observa-las, cuida-las estão lá. sempre a brilhar, para ver-nos feliz e nós aqui, nos entristecendo espalhando aos mil ares o tao triste e só que somos sem nunca mostrar que por mais que só, tenho um brilho imenso dentro de nós a espera de um caminho qualquer, para iluminar mil e uma coisas ..
Postado por umalguém às 16:51:00
Reações: 
0 comentários
teu riso tornou-se minha principal fonte de distração nas mais melancólicas noites onde afundo-me em minha própria solidão.

sábado, 6 de outubro de 2012

Postado por umalguém às 20:36:00
Reações: 
0 comentários
As melhores poesias vem das mais tristes histórias .. das mais previsíveis aos mais derradeiros e deprimentes atos que cometemos ao amar amar é bom chega a ser um bom mas quando machuca, dói faz com que nos sinta-nos péssimos solitários numa estação lotada sozinhos por entre os terríveis becos que cruzamos na noite escura que se aproxima a sós no imenso quarto tv ligada, celular quebrado uma vida sem sentido mal vivida o amor nos aparenta melhorar tudo em breve tempo mas acaba e esse término, acaba comigo contigo conosco .. não me importa saber que não pensas mais em mim .. importa-me saber que tudo que senti foi verdadeiro e louco bonito e solto! pensar em ti, fazia-me flutuar voar .. viver de forma bela hoje tornou-me vulnerável as dores do universo a frieza da vida ao tão amargo que tornou-se querer-te só pra mim impossível é viver assim sem ti .. acostumo-me não peça sorrisos alegrias depois de tal partida, sobrou-me melancolia

?

Postado por umalguém às 20:34:00
Reações: 
0 comentários
me cuida me trata bem .. me faz sentir o tão bom que a vida possa ser não me deixa não, espera! eu juro te acalantar ficar contigo te dar força, apoio amor e carinho meu bem ... mas ei promete que enquanto estivermos juntinhos teu pensamento será o meu e o meu o teu .. teu sorriso sincero para mim só a mim as mais belas frases de amor fariam grande sentido a nós cantaríamos brincaríamos .. e após nos amaríamos, loucamente e carinhosamente .. a cada momento te amando e te desejando cada dia cada momento cada instante, mais e mais e mais e mais ..

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Postado por umalguém às 22:01:00
Reações: 
0 comentários
a mente torna-se confusa e um lugar inabitável perigoso é pensar! o problema é meu ou eu me tornei o problema? são tantas as dúvidas que me cercam tantas incertezas, o triste receio de que tudo venha e vá tal qual a brisa que sopra de leve por entre meus cabelos .. que assim que surgi levemente parte bruscamente sem deixar sinais .. tristes enganos, corriqueiras solidões desajeitados são os sentimentos que me rodeiam e me fazem pairar no ar .. pensar torna-me fria faz-me agir de forma qualquer afim de não ter o tal bem querer que insiste em querer vir se não cogitar, sonhar, pensar talvez pudessemos ver de tal jeito diferente sem ter sentimentos regrados policiados e nem com prazos de validade .. tentarei, viverei de tal modo para que possa conseguir tal liberdade e tirar de uma vez, a frieza que em meu peito foi deixada ..
Postado por umalguém às 22:01:00
Reações: 
0 comentários
mais uma noite de solidão .. na tv um filme qualquer na mente, mil perguntas e nenhuma resposta preciso de ar, de caminhar contigo e ter certeza do que mais verdadeiro tenho a te oferecer. o que sinto por ti vai além dos outdoors, das músicas de amor ou da droga que lentamente cobre tua cabeça te fazendo ir a mais lindo e fiel delírio sinto-me traindo a ti nao tenho certeza alguma do que sinto e isso se torna belo a olhos alheios confesso-te nunca ter amado verdadeiramente incontrolavelmente e nem tanto, puramente minha mente é loca, entenda você perdoe os erros as vezes de total dispersão alucinações .. sou incerta sinto-lhe algo mas não defino não conheço, tenho medo o tempo ajudará eu espero e espero, que também possas considerar meu amor e esperar-me, nos momentos de maiores loucuras .. tenha fé, em mim acredita em não me abandona, não lhe suplico. lhe retribuirei juro, mil beijos milhões de carinhos por minutos, segundos, dias .. em que aguardas o desate de alguns nós que ainda habitam minha mente, insana!
Postado por umalguém às 22:00:00
Reações: 
0 comentários
não te ofereço eternidade, mas dias te ofereço um milhão! e deixo você com metade, do meu coração [...]
Postado por umalguém às 21:57:00
Reações: 
0 comentários
sobre a noite fria de minha existência penso e reflito os mil fatos que hoje percorrem minha mente é engraçado, quão somos fantoches dessa vida sofremos, choramos .. e ai nunca passe de mágica, sem perceber nós vemos rindo no meio de um café ou do banho por coisas banais sentimentais ou por pessoas que venham com tal magia nos fazer enlouquecer a tal ponto de ser perder e esquecer tal dor .. gritemos em nosso interior, pois então "NADA É DURADOURO, ISSO TEM FIM" enviares tais palavras garganta a dentro afim de seguir aspirando tais sentimentos bons gostosos de se viver .. solidão tá do lado sempre disposta a puxar uma conversa mas, basta a nós corre-la e mostra que cá estamos, prontos pra guerrear por vitórias derramar suaves lágrimas pelas derrotas que chegarem e estar disposta a sempre ter um beijo e um abraço a lhe esperar ..
 

rubber soul Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos