quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

sem hora pra voltar (...)

Postado por umalguém às 22:25:00
Reações: 
Certamente lembraria de todas cervejas compartilhadas, os beijos roubados, os apertos dados e claro, aquele quase afogamento. As vezes atrapalhadas, as velhas risadas, as palavras vindas e levemente absorvidas ... os carinhos, os aconchegos. Aquele colo que sempre dava um sono e aquele abraço que afastava todo um mundo pra longe e deixava-nos sós, o eu e o teu, apenas. Por mais confuso que tudo pareça ser, por mais desolador que o fim possa aparentar ser, nada nunca acaba verdadeiramente, quando existe um sentimento, mesmo que escondido, um sentimento meio "envergonhado", sem querer se exaltar muito, nunca acaba, sempre existirá um recomeço. E essa é a razão do fim, inventar um novo começo, quem sabe nosso ... quem sabe não, o tempo dirá o que vai acontecer e principalmente, nossas ideias mudam e nós mudamos e evoluímos, quem poderá dizer que num dia todo caos não vire calmaria e enfim, possamos alinhar os pensamentos e com a cabeça, "fria" decidir o que realmente nos fará diferença e nos deixará simplesmente bem, sem que nada e nem ninguém interfira. Isso tudo é tão louco pra mim. Acordo sempre bem e feliz, por mim e por ti. E ai, meu pensamento,diga-se de passagem, maluco, revoltasse contra minhas realizações e enfim, cá estou escrevendo isso, para que se um dia qualquer leres saiba que não fiz porque era de minha total e libertaria vontade fazer, mas sim pelo fato de querer mais ... de aspirar por algo que me faça, e que queira crescer comigo. Que ao me ver, perca o fôlego, que sinta minha falta, que não me deixe pra depois, que sinta o mesmo aperto no peito, que eu senti hoje, tendo que te deixar ir. Por fim, mostro-me ainda mais perdida, como sempre, e ainda mais confusa. O sentimento segue o mesmo, um imenso carinho e uma grande tristeza ao mesmo tempo.
"Esqueci minha boca no teu corpo, pensei que isso te faria meu, usei de artifícios, gastei meus truques depois, quem escapou fui eu. Não pense que eu não desejei, não diga que eu não quis. É só que eu me assustei, ao me ver tão feliz" Agridoce - Romeu

0 comentários:

Postar um comentário

 

rubber soul Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos